28 dezembro 2016

16 favoritos de 2016

O ano está acabando e ainda não consegui fazer uma retrospectiva decente, então inspirada em um vídeo da Mari que ela fez 14 favoritos de 2014, resolvi fazer meus 16 favoritos de 2016. 
1 - Definitivamente ter começado a usar Antix. Meu vestido favorito do ano foi o de pássaros que devo ter usado mais vezes que me lembro.
2 - Batom matte da Quem disse, Berenice?, cor Amorando. Ele dura bastante e consigo ir do mais claro ao mais escuro com o mesmo batom.
3 - Base Healthy Mix, cor 57 da Bourjois que tem ótima cobertura porém de forma natural.
4 - Blush 02 da linha Intense O'Boticário que descobri que consigo usar como sombra.
5 - Kit de pincéis Sweet Emotion, da Pink Gloss.
6 - Creme hidratante, Instant moisturizer da Sephora que não é para os olhos, mas fiz ser. Ele deixa meus cílios macios depois de tirar a máscara de cílios da Maybelline.
7 - Demaquilantes da Quem disse, Berenice?, tanto o bifásico (usei o azul e o rosa) e o sabonete demaquilante.
8 - Kit da Clinique, Anti-Blemish Solutions, que destruiu minhas manchas de acne dos natais passados.
9 - Filmes - Simplesmente Acontece (2014), Questão de tempo (2013), Deadpool (2016), In Your Eyes (2014), Meia-Noite em Paris (2011), Interestelar (2014), Scott Pilgrim contra o mundo (2010), Kick-Ass 2 (2013), Como eu era antes de você (2016), Meu Passado Me Condena (2013), Jogos Vorazes: A Esperança - O Final (2015), Prometheus (2012), Efeito Borboleta (2004), Drácula – A História Nunca Contada (2014), Assim na terra como no inferno (2014), Coraline e o mundo secreto (2009), Esquadrão Suicida (2016) e Frankenstein – Entre Anjos e Demônios (2014).
10 - Séries - Gilmore Girls, Agent Carter e Supergirl
11 - Livros - O Duque e Eu (Julia Quinn), Mary Poppins (P. L. Travers), Clarissa (Erico Veríssimo), Mrs. Dalloway (Virginia Woolf), A Arte de Pedir (Amanda Palmer), Sejamos Todos Feministas (Chimamanda Ngozi) e O mundo de Sofia (Jostein Gaarder)
12 - Quadrinhos - Soppy (Philippa Rice) e Pretty Guardian Sailor Moon #6
13 - Bandas, músicas e etc - Uma palavra, Sem garantia e com defeito, O mundo é nosso e Se for pra tudo dar errado (Tópaz); Jovem, Monstros, Bomba Relógio e Rogério (Supercombo).
14 - Ter pintado o cabelo de vermelho.
15 - Ter conhecido o Matheus.
16 - Ter começado a faculdade.
___________________________________

Apesar dos pesares eu não queria dar adeus à 2016, mas é necessário. Um ano com altos e baixos, de aprendizados. Saio desse ano fazendo o dab porque por mais difícil que ele tenha sido pra todo mundo podemos dizer que sobrevivemos. Vem 2017!

15 dezembro 2016

Dezembro, aquele mês

Já é metade de dezembro e juro que até me programei para participar do blogmas, separei os temas quais queria escrever... mas não rolou. Para esse mês tivemos teias de aranha e teremos - como sempre - os melhores do ano. 

Toda vez que penso em começar a escrever alguma coisa, não consigo ir adiante, acho que gastei todas as minhas forças nos últimos 300 e muitos dias. principalmente em agosto, e tudo bem, só não quero deixar esse coitado vazio até dia 31.

Aos fãs de filmes, assistam "Menores Desacompanhados", aos fãs de How I Met Your Mother, assistam o episódio doze da sétima temporada, "Symphony of Illumination", aos fãs de balé, assistam à alguma apresentação d'O Quebra-Nozes (uma que tenha a Fada Açucarada só por motivos de sim).

Bem-vindos a um blogmas atrasadinho.

30 novembro 2016

Resumo de novembro

Pra quem ficou com vontade de fazer blogmas, novembro foi uma vergonha. Eu postei exatamente duas vezes. Esse mês eu falei de moda e reclamei do tédio, terminei as aulas, fiz uma prova, tenho mais duas para fazer e um trabalho para terminar, comecei a reler Clarissa pois me serviu de inspiração para o crônica que preciso escrever, terminei Gilmore Girls e assisti a todo o especial quase no mesmo dia e como assim aquele foi o final? gostei, mas faltou alguma coisa, quero saber mais sobre as Gilmore Girls.

Mudei o template do blog e ainda não está exatamente como eu quero - e perdi a imagem do cabeçalho. É sofrível quando vamos para as páginas antigas e aparecem uma postagem solitária por vez, e não sei como tirar isso, tenho várias indicações literárias da faculdade para ler porém me faltam temers para adquiri-las e não quero ler em ebook no momento. Algumas delas são "O Mundo de Sofia", "O Nome da Rosa" e "Cândido ou o Otimismo", livros que fiquei de ler há um tempo e por isso deveria tê-los em casa, mas não tenho.

Quem estuda Filosofia é meio doido. E pensar que "escrevi crônicas" a vida inteira, mas quando preciso escrever para valer travo. 
Dos filmes: 
12/11/16 - Um Lugar Solitário para Morrer  ★★★★
19/11/16 - Drácula – A História Nunca Contada  ★★★★★
20/11/16 - Assim na terra como no inferno  ★★★★★

Dos links:

Faltou feijão pra novembro.

08 novembro 2016

Umas roupas e umas fotos no espelho


É uma verdade universalmente conhecida que no último mês comecei a usar vestidos, e meu primeiro vestido - digo primeiro pois foi pensado e analisado antes de comprar, e foi uma compra consciente de que eu queria usar vestidos na rua e não só em festas - foi da marca Antix.

A Antix é uma marca conhecida pela fofura de duas estampas e a qualidade de seus produtos e me apaixonei logo na primeira vez em que vesti o primeiro que comprei. Apesar de achar a maioria dos preços salgados - principalmente de lançamentos - a maioria das roupas que compro são de segunda mão porém super conservadas. Navegar pelo Enjoei tem sido um novo vício em busca de peças que combinem comigo e ter descoberto um grupo de vendas e trocas no facebook foi um caminho sem volta. Estou em processo de me conhecer e conhecer meu estilo mais e mais a cada dia e sinto prazer em "aprender a me vestir", e aos poucos vou perdendo o medo de mostrar um pouco de pele aqui e ali.

De alguns fatos, o All Star é uma peça que não sai dos meus pés desde os 8 anos e aquilo de "se pudesse ter um de cada cor, eu teria" é a pura verdade. Em meados da adolescência eu usei um vestido xadrez tomara que caia com um Converse branco, peças tomara-que-caia ainda são questionáveis mas vestidos e saias com tênis são parte de mim - e ainda não sei usar saias, a não ser as longas. Abrindo um parêntese aqui ainda sou atrapalhada com saias longas, principalmente para subir as escadas dos ônibus. Pra quem não sabe eu tenho aproximadamente 1,58 de altura e não muita destreza no andar, então sempre que subo escadas e levanto a barra da saia, ela ainda consegue se enfiar debaixo dos meus pés e quase me fazer cair (e convenhamos, os ônibus são altos demais).

Saias curtas e bolsas ainda são desafios (eu carrego coisas demais), e o que quero dizer com tudo isso é que talvez eu comece a falar mais e mais e roupas e essas coisinhas por aqui por motivos de registro e acompanhamento da evolução. Tenho pouquíssimas fotos entre meus 10 e 13 anos e memórias vagas do que eu usava naquela época e ainda sou apaixonada por algumas peças anteriores a minha adolescência, aos 17 eu só usava jeans, Converse (ele!) e camiseta, em sua maioria pretas, novamente, sem imagens e só de um ano para cá comecei a pensar realmente em quem eu sou e o que quero mostrar para o mundo. Ainda não gosto de aparecer em fotos, fato, porém nada que algumas selfies no espelho não ajudem.

Esse blog é um diário e está entrando em uma nova fase. Nota mental: lembrar de tirar fotos antes de sair de casa.

02 novembro 2016

Aleatoriedades


Hoje é feriado e estou entediada.

São 18:20 e meu dia foi resumido a me arrastar do quarto para a cozinha e vice-versa, com uma pausas esporádicas no computador no meio do caminho. Estar sem notebook nessas horas é um saco pois tenho que depender do celular onde o alcance de internet não está sendo dos melhores. 

Logo ao acordar li a Newsletter da Anna Vitória sobre desemprego onde ela comenta sobre sair sozinha por aí, o que me deu vontade de me levar para passear e me questiono se o sebo citado por ela é o Sebo Maravilha (somos da mesma cidade!). Pausa para que eu possa responder o e-mail dela.

Despausa.

Perdi o ritmo da conversa. E ah, nunca sei responder e-mails ou as pessoas no geral, o que vou dizer sempre sai bem melhor na minha mente. 

Lendo + Asssistindo + Etc
"O Poder da Bruxa", Laurie Cabot. Querendo ler "O mundo de Sofia", "O nome da Rosa" e "O Cândido ou o Otimismo", mas antes, esperando a #blackfriday.

Mês passado assisti, que me lembre, três filmes: 
22/10 - Alien Uprising  ★★
23/10 - Efeito Borboleta  ★★★★★
30/10 - Viagem à Lua de Júpiter   ★★★★★

O último foi bem interessante, em formato de documentário com ficção científica, vale a pena as surpresas do filme. Faltam oito episódios para o fim de Gilmore Girls e não compartilhei os links de outubro no resumo do mês!


Nesse quesito de links o desktop ganha do notebook.

Por hoje é só!

31 outubro 2016

Considerações sobre outubro

Um mês que iniciou com colapsos e a morte oficial do meu notebook, seguiu com a minha primeira semana de aula em Licenciatura em Artes Visuais, uma breve exploração sobre o universo educacional, curiosidade para desbravar livros de Pedagogia e um tema de trabalho que me deixou empolgada e confusa sobre o como fazer. Completamos nosso sétimo mês-versário, e usei saia longa no trabalho - mais de uma vez. E terminei o mês sentindo cólica.

Outubro.

Ainda não sou a melhor pessoa do mundo na hora de tomar decisões, ainda falo mais que a boca e assusto as pessoas com a minha cara de poucos amigos, mas é a minha cara, não posso fazer nada. Choveu uma quantidade razoável de vezes e já não lembro se tomei chuva esse mês ou em setembro. Faltam dois meses para o Natal, sinto uma necessidade de colocar a câmera no pescoço mais uma vez, usei vestidos mais de uma vez, li até bastante e minha lista de leitura só aumenta.

O que ainda dá para fazer em 2016? Da minha lista de não-metas eu queria dormir antes da meia-noite, consegui (a maior parte), praticar Yoga ou Pilates, foi um dia para cada e nunca mais, deixei o cabelo crescer até setembro quando precisei cortar de novo, e ele segue crescendo mais uma vez, fiz exame de vista, troquei a armação do óculos, nunca mais procurei saber sobre glaucoma, fica para 2017, "dar uma sacudida" é apelido para o que fiz no meu guarda-roupa, e eu não me alimento mal. Nunca mais cheguei perto do meu livro, não viajei, terminei por hora a "reforma" do meu quarto, faltam apenas mais alguns detalhes. Nada de aulas de francês, quando finalmente calcei o oxford, ele descascou. 

O que ainda dá para fazer em 2016? Não sei? Não tem nada que eu sinta que ficou pendente até aqui. Life was never worse, but never better... sabe? Tá bom assim, eu sinto que realizei tanto até aqui, e não é como se eu quisesse me acomodar ou como se estivesse na sala de espera da vida mais uma vez, ainda quero fotografar pelo menos mais uma vez esse ano, isso é certeza, de resto, que venha, estarei de braços abertos.


25 outubro 2016

Sobre voltar a estudar

Minhas primeiras impressões sobre fazer faculdade "de verdade" (no segundo dia de curso).
Help, I need somebody, help...

Depois de todo esse tempo eu finalmente decidi começar de vez Artes Visuais. E passei bastante tempo sem estudar de verdade então voltar a rotina de aluno, e ainda por cima EAD está sendo divertido e cansativo ao mesmo tempo. Absorvi tanta informação ontem que só queria dormir o restante da tarde e meu cérebro fazia um looping entre Platão, o trabalho e o namorado (e de vez em quando comida e o calor que fazia).

Digo fazer faculdade de verdade porque não conto aquele mês em Psicologia como se eu tivesse passado pela experiência de fazer algo, isso aqui estou fazendo porque realmente escolhi fazer (mas virar a noite deitada em cima de xerox agregou um tiquinho). Apesar do susto de ver que o próximo artigo que tenho que ler tem 10.199 palavras, estudar é a melhor coisa do mundo. 
São dois dias para três anos adiante e mal posso esperar pelo que pode vir!

24 outubro 2016

Sete com sete


Temos sete meses e nesses sete escrevi em todos eles. Nos sete cresci setenta vezes, e posso encontrar setecentos motivos para querer mais sete mil dias com você. De sete em sete vou aprendendo a caminhar lado a lado, com quem no dia vinte e sete aceitou trocar umas palavras comigo. 

De sete em sete dias tenho vontade de escrever, de sete em sete palavras vou juntando as frases inspiradas por você, de sete em sete minutos arranjo um assunto novo para discutir, um carinho de sete segundos para fazer, um cochilo de sete minutos sonhando com você, uma noite que dura sete horas de sono profundo com memórias leves.

Sete com sete são quatorze, com mais sete a quantidade de tempo que quero continuar escrevendo sobre como você me faz sentir.

16 outubro 2016

As várias faces da chuva


Tem aquela chuva pra molhar e te deixar resfriado, tem aquela de molhar bobo que esqueceu o guarda-chuva, tem aquela que parece um banho, e tem a chuva que lava a alma.

Eu pedi pra chover e reclamei da chuva, no dia que aceitei molhar, parou de chover; tem dessas.

E tem aquela chuva quem vem avisada e marota, dizendo, se prepara que vai chover e você sai agasalhado. Mas tem aquela que só ameaça, faz você sair esperando nevasca e vai embora assim que você coloca o pé para fora de casa.

Eu  tenho uma conexão com a chuva, sempre acho que ela está querendo me dizer alguma coisa; acorda, levanta a cabeça, tô aqui para lavar todas as suas preocupações. Ela conversa comigo às vezes e sempre vem na hora certa.

13 outubro 2016

Quatro estações

Dias de verão, noites de inverno, tempos de chuva, tempestade. Mas daquele tipo que vem para derrubar as velhas folhas  e depois regar as novas flores. Era fim de verão quando a gente se conheceu e se apaixonou. E se entregou. Então veio o inverno para congelar todo sentimento ruim e fazer com que eles se quebrassem para sempre e ficassem só os aprendizados e as coisas boas. Na primavera nós florescemos juntos e daqui a pouco já volta a ser verão e teremos atravessado as quatro estações juntos.

Os dias são mais coloridos até quando tudo parece cinza. É só lembrar do seu sorriso, do seu toque, de você. Entre tênis vermelhos e novos olhos, Marvel e DC, cães e gatos, flores e folhas marrons, pássaros e suas músicas pessoais, sempre naquele mesmo sofá, às vezes em outro, nós dominamos o mundo. No meio das nossas bagunças organizadas, criamos nosso universo onde, claro, nada é perfeito, mas é perfeito do jeito que é.

Foi numa transição de estações que nos declaramos pela primeira, já era Outono, todo o medo já havia morrido. Em junho foi dia dos namorados. Em setembro cresci mais um pouquinho apesar de tudo que trouxe. Nos resta agora esperar o Verão chegar para iluminar mais forte ainda essa nossa luz - e torcer para que se for para derreter, que seja de amor. 

11 outubro 2016

Ode aos vestidos

Na última semana descobri a maravilha que é usar vestidos, tanto é que se deixasse eu ficava o dia todo com o dito cujo (fiquei) e se pudesse ia trabalhar com ele também (não pode). Eu tinha uma aversão a peças abertas entre as pernas e peças que mostram a pele em geral, sempre me senti exposta com elas, mas graças a falta de tempo para trocar a roupa que já estava fechada e bem posta no corpo (diferente de hoje) encarei o mundo lá fora de cabeça erguida e saia balançando até o ponto - e até andei de ônibus. Vestidos são confortáveis, além de lindos, finalmente uni o útil ao agradável, só preciso de força agora para tirar a saia longa do guarda-roupa de novo.

Aliás, andar um bela caminhada de saia foi libertador também. "Dá vontade de sair girando", dá mesmo. 

Aleatoriedades
Lendo ou tentando ler "Enigmas da primavera" do João Almino e nem sempre ler um capítulo na livraria dá certo, fica a dica. É legal, mas não é tudo isso. Assistindo ainda, claro, Gilmore Girls. Me sinto nesse momento em algumas questões a Rory. Preciso parar de reclamar inclusive. S7XE4.
Alexis Bledel está pra minha vida assim como Ellen Page. Parece que tudo o que assisto elas estão no meio. E em uma passado não tão distante eu já cheguei a confundi-las.
Não me pergunte como. Até a próxima!

05 outubro 2016

Somos todos Rory Gilmore

                Tudo bem, talvez nem todos. Mas os livros, o jornalismo, Rory fala tanto comigo. Pode ser que eu não vá para a área, é quase improvável, mas sou tão apaixonada por conhecer aquele mundo, tenho uma gana tão grande daqueles papéis, daquelas histórias, daquelas imagens. Redação é uma paixão antiga e é incrível como depois de quase um mês sem escrever, escrevo às escondidas do computador do trabalho. E nem sei como poderei levar isto para casa. Está tão bem editado aqui. Mas quando chego em casa estou cansada pois me sinto sugada do dia todo. Estou cansada de todos eles, e eles nem sabem o que estou fazendo, ainda bem.

                Parágrafos são legais. Gosto de escrever no Word devido aos parágrafos. E porque as edições são lindas. Sou de humanas, sou das letras, amo textos justificados, mas estou adorando esse texto visualmente bagunçado. Até hoje tenho duvidas de como usar os “porquês”. O Word colocou acento nesse. E tem algumas palavras que me deixam confusa, como “acento” e “assento”; um é de sentar. Escrever é tão bom. E pensar que fiquei tanto tempo sem. Escrever e ler são coisas maravilhosas. Somos todos Rory Gilmore, todos nós que mantemos diários e escrevemos sobre nossas vidas.

03 outubro 2016

Uma palavrinha sobre os últimos tempos

Desde os primeiros dias do ano as coisas pareciam bem encaminhadas, eu ia fazendo uma coisa de cada vez, eu ia vivendo, calma como um rio, as coisas iam fluindo. Mas aí chegou setembro. Já na primeira semana de setembro tive um ataque de nervos, e achei que ele havia passado, mas ele voltou, e então quando tudo parecia ajeitado, eu desabei pra valer no primeiro dia do mês. Quis fugir, me esconder, só queria dormir pra ver se esquecia tudo, mas eu não podia fazer nada disso, eu tinha responsabilidades com as quais lidar e queria mais que tudo voltar a sorrir e voltar a ficar leve. Desabafei, desabafei pra caramba, chorei tudo o que tinha para chorar em dois dias inteiros, cheguei em casa destruída, e aos poucos parece que o fogo foi diminuindo e só ficou a poeira suja do incêndio.
Era assim que estava me sentindo. Depois de tanto choro soluçado, dor no peito, nas costas e nos olhos, uma noite que conseguiu me alegrar de verdade e uma boa noite de sono depois de muito tempo, acordei, posso falar sinceramente dessa vez, acordei bem, e acordei para vida, finalmente. Às vezes essa história de ser "adulto" é assustadora, mas já chegou, tá aqui, e preciso encarar e lidar como gente grande. Não é de hoje que estou tentando parar de sofrer por antecipação, tenho certeza que não será agora que vou parar - de vez, mas quero parar, preciso parar, isso faz mal, muito mal. A dor que estava sentindo dentro de mim foi assustadora, mas não quero mais ter medo da dor. 

O que não te mata, te deixa mais forte.

Não vou deixar meu cérebro ansioso estragar a maravilhosidade que tem sido esse ano de 2016. Dois mil e dezesseis seja, sabe? Tá sendo. E eu mesma não vou deixar que eu estrague isso.
Que dia é hoje? Hoje é o dia em que parei, respirei, olhei em volta e dei uma espiada lá atrás. Chega de sofrer pelo leite que nem ferveu ainda, menina. Sai dessa. E respira.

01 outubro 2016

Setembro: Seja como flor


Setembro foi um mês esquisito. O mês das crises. Depois de tantos textos regados pela bad, você deve ter notado. Coisas acabando, começando, recomeçando. Espero do fundo do meu coração que meu notebook não tenha morrido. Setembro.

Ainda não sei o que dizer sobre setembro. De modo geral, não consigo dizer que foi um bom mês. De todos os meses do ano até agora, setembro leva o título de pior, foi pior que janeiro, e espero que as coisas melhorem em outubro. Na verdade, sinto que as coisas já estão melhorando enquanto escrevo esse texto. Ao mesmo tempo em que me sinto estática, me sinto em movimento. Fechei um ciclo e estou iniciando outro. E isso sempre dá medo.

Links do mês
a summer de hoje é o tom de amanha
verdades de uma pessoa introspectiva
os momentos de silêncio
a teoria do impossível
nunca reclamar, só agradecer
look do dia, identidade e afins
Lendo & Assistindo

Esse mês eu terminei de ler "A Arte de Pedir", da Amanda Palmer e só foi um quatro estrelas devido ao final livro. Começou a ficar enrolado e repetitivo. Mas não posso tirar o mérito de que ela me fez me enxergar como artista pela primeira vez em dois anos. Depois eu li "Histórias Extraordinárias", de Edgar Allan Poe e gostei bastante da experiência. Normalmente eu fujo de histórias nesse estilo, mas consegui lidar bem com Poe, nem posso dizer que senti medo, na maior parte foi mais um incômodo. Para fechar o mês eu (finalmente) li "Sejamos todos feministas", da Chimamanda Ngozi Adichie. Apesar de ter adiado essa leitura, ela foi ótima mesmo assim. Foi bom finalmente tocar nesse assunto de verdade. Não nego que às vezes eu fechava os olhos para verdade e ignorava a "palavra com F", mas chega uma hora que ela meio que grita, sabe? Recomendo bastante a leitura. E terminei o sexto volume de Sailor Moon!

Gilmore Girls

"Gilmore Girls: Um Ano Para Recordar" sai em novembro e eu já estou quase na metade da sexta temporada. Meu desejo é que Lorelai e Rory voltem logo a se falar e que o casamento de Luke e Lorelai realmente exista. Mas algo me diz que o segundo dificilmente acontecerá.
Que em outubro as coisas melhorem e o mês não seja essa turbulência que foi setembro. Daqui três meses daremos adeus à 2016 e posso dizer como estou feliz por estar vivendo este ano. Mais força e foco. Tá tudo bem.

30 setembro 2016

#SOTMB: Lar é onde o coração está

Meu coração está na biblioteca municipal, nos braços da pessoa que me aceitou do jeitinho que eu sou, no amor que coloco na minha arte, em Hogwarts. Meu coração, posso dizer com certeza, está em Stars Hollow.



Uma foto publicada por Ludimila Ferreira (@ludfrrrg) em


Uma foto publicada por Ludimila Ferreira (@ludfrrrg) em
Dessa vez foi um post bem mais simples, e todas as fotos são antigas, mas de coração, afinal, é onde está o lar.

Até a próxima <3


28 setembro 2016

Aquele do unicórnio

Eu já tive um unicórnio.

Eu já tive um unicórnio e o nome dele era Prateado, apesar de seu pelo ser dourado. Prateado durou o tempo que durou minha infância. Anos depois Prateado voltaria para minha vida, em forma de pingente, literalmente prateado, a fim de representar o lado mais unicórnio da minha vida. O lado que é iluminado pelo arco-íris. Os Unicórnios na minha vida hoje representam o amor, o companheirismo, a leveza que é ter alguém que nos ama de forma recíproca do nosso lado. O unicórnio é o lado bom da vida.
"Tô numa fase unicórnio na minha vida
Sabe aquela fase da sua vida em que tá tudo feliz?
Tudo tá dando certo?
Tá rolando suave?
Tá de boa?
Tá relax?
Tô nessa.
Isso é uma fase unicórnio, porque unicórnios são felizes."

25 setembro 2016

reflexões de um mês meio bosta

e olha que hoje é dia 25.

preciso tomar chuva, levantar o rosto debaixo de uma tempestade, minha crise tornou-se interna, é uma briga minha comigo mesma. é incrível e triste ver como há um ano eu estava passando por uma crise parecida. ano passado me sentia sozinha, perdida, estagnada, não vou mentir, às vezes ainda me sinto naquela estrada para lugar nenhum. mas dessa vez é sobre saber o que preciso fazer, como fazer, e simplesmente fingir que não sei e ficar parada por opção. uma opção meio bosta sendo que eu podia estar lutando lá fora, mas estou aqui sentada em negação. acorda pra vida, grita minha voz interior.

o que é que estou fazendo com a minha vida?

era a pergunta que eu me fazia há um ano, e repito, com outro tons. o que é que estou fazendo com a minha vida que não fui atrás do que eu preciso até agora? o que é que estou fazendo com a minha vida que estou reclamando igual uma velha ranzinza ao invés de fazer as coisas? tenho tudo a meu alcance mas não faço nada. e eu fui a parcialmente culpada por esse mês ter sido meio bosta. 
minha reação ao notar o tempo perdido

todo começo de mês é a mesma coisa, falo que vou correr atrás, mas nem gosto de correr. o sentimento do passado era sobre não ter pelo o que lutar, agora tem, e até bastante coisa. "talvez isso a tenha deixado estagnada, não ter pelo o que lutar, mas seria uma luta sem vencedor, então foi bom sair dessa batalha relativamente ilesa. mas você está começando novas batalhas, e não se sente preparada para elas, mas quem está preparada? ninguém. você só precisa de foco e coragem, o resto a gente dá um jeito."

estou começando novas batalhas, na verdade, já comecei, apenas não assumi o posto de soldado, e estou preparada para derramar quanto sangue for necessário para ir adiante e alcançar o que acredito. eu sempre dou um jeito. 

o que é que estou fazendo com a minha vida? bom, estou vivendo. ou tentando.

23 setembro 2016

#SOTMB: Primavera

A primavera está chegando, com ela o calor e a chuva, e começo a pensar melhor no que vestir e a vontade de usar vestidos só cresce. Aproveitei o tema da semana para voltar para o projeto Mil Pétalas e cheguei em 27/1000, sem pressa. Bem-vinda, primavera!
22 // 23 // 24 // 25 // 26 // 27

Todas as fotos foram tiradas no trabalho, essa última é uma pitanga de um pé que tem lá no estacionamento, nunca tinha provado e adorei.
Além das flores e das frutinhas, minha inspiração visual está voltando e volto a pensar em moda e o que vestir nessa temporada de muito calor e eventuais chuvas.
E estava aguardando o momento certo para usar esse gif. Sim, quero flores, quero cor de rosa, quero me sentir na primavera e colorir meus dias, mesmo que de forma sutil. Chega de cinza!

Minha obsessão por saias já está fora do normal.

Que nesse dia 23 as coisas floresçam para todos nós <3

21 setembro 2016

Tragam meu bom-humor de volta

É meia estação, está voltando a chover, a primavera está chegando - chegou, e meu humor está todo errado. Eu amo chuva, os dias nublados, mas nada está me deixando mais animada o suficiente para sair de casa todos os dias às 13:20 da tarde sabendo que vou encarar gente com cara de bunda e energia pesada nas próximas seis horas.

Quero voltar a escrever sobre coisas felizes, coisas que inspiram, mas toda vez que sento para escrever só me vem essas lamentações. Não quero que o blog se torne um mural de lamentações. Coloquei esse guarda-chuva lá em cima a fim de chamar a chuva, para ver se ela consegue lavar essa maré ruim e levar tudo na enxurrada.
Me descobri Monica Geller sem ao menos ter terminado de assistir FRIENDS. Digo isso por perceber como arrumo tudo, quase o tempo todo, às vezes até inventando novas formas de arrumação. E acho tudo isso muito divertido. Limpar poeira até que não porque deixa meu nariz coçando e eu começo a espirrar, mas organizar é muito legal. E de algum modo, meio adulto?
eu tô cansada :/
O que eu tô lendo? Nada. Minto - comecei "Sejamos todos feministas" no Kindle e vou voltar a ler Sailor Moon, sexto volume. O que tô assistindo? O episódio vinte da quinta temporada de Gilmore Girls. O que tô ouvindo? "Highway To Hell" do AC/DC se tornou um hino.

Porém ao mesmo tempo em que quero me enfiar debaixo do cobertor e fugir, estou punindo todos em nome da lua. Por isso não escrevo sobre isso, por isso não estou escrevendo. É sempre sobre as mesmas coisas, sobre como tudo está desandando, mas eu termino com frases motivacionais para mim mesma. Setembro, o mês das crises existenciais e dos colapsos nervosos. Parece um TPM eterna.
E eu perdi a linha de raciocínio - se é que tinha uma.
Até a próxima, espero que melhor.

16 setembro 2016

#SOTMB: Meu lugar favorito

Assim que vi esse tema pensei de cara no meu quarto, na minha cama, nas minhas coisas. Porém nenhuma das fotos foi tirada lá. Em um dos meus intervalos lá no trabalho, resolvi olhar o céu que no dia estava estranho. Parecia que estávamos dentro de uma estufa. E percebi que um dos meus lugares favoritos é ali, olhando a cidade do alto.

Outro lugar favorito é ao sol, quando ele não está muito quente, ali mesmo, observando a vida das outras pessoas.

Mas, de lavada, quem ganha como lugar favorito de longe é a cozinha, e nem é só para comer. Descobri que cozinhar é divertido, acho até que está no sangue. Estou longe de ter o talento da minha mãe, mas quem sabe um dia?

Só que nada disso tira o mérito da minha caminha e do meu quarto em geral, menção honrosa para eles.
Até a próxima!